Por favor aguarde.
  • Câmara de Braga vai fazer referendo para decidir se vende ou não estádio municipal

    Desporto


    A Câmara de Braga vai fazer um referendo local sobre a venda do estádio municipal, um equipamento que segundo o atual executivo é "uma fator de entropia" à gestão da autarquia, devido aos gastos que tem obrigado a realizar.

    Em conferência de imprensa, no final da reunião do executivo de hoje, o presidente da Câmara Municipal de Braga (CMB), Ricardo Rio, justificou a consulta popular com o facto de querer "legitimidade política" para realizar aquela alienação, que não constava do programa eleitoral com o qual foi eleito.

    A decisão do referendo foi anunciada no mesmo dia em que a autarquia informou ter as contas bloqueadas por causa de uma condenação judicial ao pagamento de quatro milhões de euros ao consórcio que construiu aquele equipamento por obras a mais.

    "Iremos, após as eleições legislativas, convocar um referendo local para submeter à apreciação da população a decisão de alienar o estádio municipal, porque é uma medida de não constava do programa eleitoral com que fomos eleitos e entendemos que deve ser feita com legitimidade política", justificou o presidente da autarquia, Ricardo Rio.

    A possibilidade de vender o estádio municipal, onde joga o Sporting Clube de Braga, já foi colocada na mesa pelo atual executivo: "A decisão de alienação já tinha sido veiculada, até hoje era quase um desabafo. Hoje, depois disto tudo, é um desígnio", disse.

    De forma a justificar aquela decisão, o autarca apontou que uma obra orçamentada em 65 milhões de euros já obrigou a gastar 165 milhões, entre derrapagens e condenações judiciais, sendo que a fatura pode ainda não estar finalizada, uma vez que a autarquia já foi condenada em duas instâncias ao pagamento de mais dez milhões de euros por obras a mais (aguarda-se decisão do Supremo Tribunal Administrativo), correndo ainda uma outra ação judicial na qual o arquiteto da obra, Souto Moura, exige o pagamento de mais quatro milhões de euros pelo projeto.

    "O estádio tem sido um fator de entropia enorme para a gestão da CMB", salientou Ricardo Rio.

    Sobre a leitura política de um "não" à venda do estádio ganhar o referendo, o autarca assumiu que tal "seria uma derrota política", mas que se assim fosse o executivo iria governar de acordo com a vontade expressa pelos bracarenses.

    Questionado sobre se há interessados na compra do equipamento, o autarca referiu que já foi mostrada "alguma disponibilidade para conversar sobre essa matéria" e que "até ao lançamento do referendo será clarificado em que condições poderia ser feita a alienação", até porque sobre o estádio está pendente um protocolo com o S.C.Braga para uso do equipamento ate 2030.

    Sobre a utilização do S. C. Braga do estádio, Ricardo Rio esclareceu que ao clube compete arcar com os encargos de funcionamento.

    "O S.C.Braga não tem que suportar encargos relativos à construção", disse.

    Contactado pela agência Lusa, o Sporting de Braga disse não comentar a decisão de Ricardo Rio"

    Fonte: SAPO Desporto

    Ler notícia completa »

    »Voltar Ler notícia completa »